A Solidão e o Palácio de Lixo!

News Porno Massacre Há alguns meses atrás, em companhia de uma figura impagável, meu grande amigo/irmão David Penner (ex músico de Oboé, da Orquestra de NY - aposentado por isso -, ex professor de literatura Inglesa, atual fotógrafo, comunista, barbudo, em pleno USA), recebi a indicação de um livro: Homer & Langley, de autoria de E.L. Doctorow.

O trabalho de David você pode conferir no [link] http://www.davidpennerphotography.com [/link]

Eu já havia escutado o nome, por alguma razão, mas nunca lido nada desse autor. No entanto, quando uma indicação vem de Mr. Penner é melhor você dar ouvidos a ela.

Bom, com o livro em mãos (uma cópia em Inglês), deparei-me com um mundo próximo ao fantástico. Explico a sensação:

A história, baseada em fatos verídicos, fala (obviamente) de Homer e Langley, dois irmãos, filhos de aristocratas, que moravam em um casarão em plena 5a. Avenida. Com a morte prematura dos pais, ficam "soltos" no mundo. Homer, acaba por ficar cego ainda em tenra idade. Langley desenvolve uma obsessão por acumular coisas. As mais variadas coisas... o que hoje é normalmente conhecido pelo termo em inglês, "hoarder" (Ou, na A&E Television, "Obsessivos Compulsivos"). Simplesmente um sujeito que guarda em casa tudo quanto é tralha que encontra.

Com o passar do tempo, esses distintos residentes de tão nobre endereço, acabam por deixar de pagar suas contas, e viver como reclusos. Raramente são vistos nas ruas. Sua casa torna-se uma espécie de fortaleza contra o mundo exterior.

Anos mais tarde, atendendo a um chamado dos vizinhos, a polícia consegue arrombar o local, e o que encontra são toneladas e toneladas de coisas (como mais poderíamos chamar esse acúmulo indiscriminado de tudo?). Com extrema dificuldade, avançam, e acabam por encontrar o corpo de Homer, já impossibilitado de caminhar por causa de doenças, enclausurado entre as montanhas e montanhas de lixo (ok, vamos chamar assim, agora)... havia morrido de fome. Uma caçada se inicia para encontrar seu irmão, Langley. E ao fim de alguns poucos dias, o corpo de Langley é encontrado já em decomposição, sendo devorado por ratos. O que ocorre é que, com a ameaça de invasão externa e a paranóia crescente dos irmãos, Langley havia instalado armadilhas por toda a casa. Eis que, engatinhando para levar comida ao irmão inválido, foi vítima de uma de suas próprias armadilhas, e acabou por morrer, levando à morte também seu irmão dependente.

O livro, escrito em primeira pessoa, é contado do ponto de vista de Homer. Isso me causou uma estranheza no princípio, pois, como contar bem uma história sem o auxílio visual do protagonista... e aí vem um dos grandes trunfos do livro. Ele é repleto de sensações. Homer é muito intuitivo e nos transfere seus pensamentos sobre o mundo a sua volta a todo momento. Já Langley, no livro, fica "louco" por voltar da guerra com ferimetos (muitos psicológicos), sendo autor das melhores frases e pensamentos da obra.

Doctorow dá uma coloração de obstinação e luta pela liberdade à falta de pagamento de contas dos irmãos, à empreitada dos dois contra a sociedade, fazendo-nos entrar em uma esfera de romantismo, e compartilharmos com eles de sua busca. Eles parecem idealistas em sua busca de liberdade ao extremo. Não há como não se sensibilizar com a história, um tanto trágica, dos dois. Há um vazio, uma solidão perene que permanece muito depois de terminarmos suas mágicas páginas.

Hoje, o local onde se situava o palacete, é um pequeno parque em NY que leva o sobrenome dos irmãos: "Collyers". Há até uma estúpida discussão se devem ou não mudar o nome do parque. Os que argumentam a favor da mudança, dizem que eles nada representaram de bom para a cidade. Porém, parece, felizmente, que esses são a minoria. Se fosse assim, poderíamos mudar muitas coisas por aqui, começando pela mudança da nossa Av. Salim Farah Maluf... que tal?

De qualquer maneira... discussões como essa à parte. É um livro que vale muito a pena ser conhecido. E uma história que merecia ser contada.

General Sade!!!